Soul Train Awards 2012 Nominations

Soul Train Awards 2012 lançou a lista dos indicados
Será gravado no Planet Hollywood, em Las Vegas em 08 de novembro e irá ao ar na BET e Centric em 25 de novembro.

Ator e comediante Cedric Entertainer será o anfitrião. Confira a lista de indicados abaixo …

Soul_Train_Awards (1)

Best New Artist
Elle Varner
Emeli Sande
J. Cole
Luke James
Robert Glasper

Centric Award
Daley
Esperanza Spalding
Gary Clark Jr.
Leah Labelle
Santigold

Best Gospel/Inspirational Performance
BeBe Winans- “America America”
Fred Hammond- “I Feel Good”
Marvin Sapp- “My Testimony”
Mary Mary- “Go Get It”
Whitney Houston and Jordin Sparks- “Celebrate”

Best Hip-Hop Song of the Year
2 Chainz ft. Drake- “No Lie”
Wale ft. Miguel- “Lotus Flower Bomb”
Nas- “Daughters”
Kanye West ft. Big Sean, Pusha T and 2 Chainz – “Mercy”
Young Jeezy ft. Ne-Yo- “Leave You Alone”

Best R&B/Soul Female Artist
Beyoncé
Estelle
Keyshia Cole
Mary J. Blige
Melanie Fiona

Best R&B/Soul Male Artist
Miguel
Robin Thicke
Trey Songz
Tyrese
Usher

Album of the Year
The One – Eric Benet
Channel Orange -Frank Ocean
Life Is Good -Nas
Write Me Back -R. Kelly
Looking For Myself -Usher

Song of the Year
Estelle- “Thank You”
John Legend ft. Ludacris- “Tonight (Best You Ever Had)”
Trey Songz- “Heart Attack”
Tyrese- “Stay”
Usher- “Climax”
Wale ft. Miguel- “Lotus Flower Bomb”

The Ashford & Simpson Songwriter’s Award
“Thank You”-Estelle
(Writers: Arden Altino, Akene “The Champ” Dunkley, Jerry Duplessis, Doug F. Edwards, Thomas D. Richardson, Aliaune Thiam)
“Tonight (Best You Ever Had)” -John Legend ft. Ludacris
(Writers: Allen Arthur, Christopher “Ludacris” Bridges, Keith Justice, Miguel Pimentel “Miguel”, Clayton Reilly, John Stephens)
“Daughters”-Nas
(Writers: Nasir Jones, Ernest D. Wilson, Patrick Adams, Gary DeCarlo, Dale Frashuer, Paul Leka)
“Share My Love”-R. Kelly
(Writer: Robert Kelly)
“Climax” -Usher
(Writers: Usher Raymond IV, Sean “Redd Stylez” Fenton, Thomas “Diplo” Pentz, Ariel Rechtshaid)

Best Dance Performance
Beyoncé- “Love On Top”
Chris Brown- “Turn Up The Music”
Nicki Minaj- “Starships”
Rihanna- “Where Have You Been”
Usher- “Scream”

Best Caribbean Performance*
Cover Drive – “Bajan Style”
Damien “Junior Gong” Marley- “SuperHeavy”
Jimmy Cliff- “Rebirth”
Matisyahu – “Spark Seeker”
Sean Paul – “Tomahawk Technique”

Best International Performance*
Amy Winehouse- “Our Day Will Come”
Daley ft. Marsha Ambrosius- “Alone Together”
Emeli Sande- “Next To Me”
Estelle- “Thank You”
Gotye ft. Kimbra- “Somebody (That I Used To Know)”
Rebecca Ferguson- “Nothing’s Real But Love”

Best Traditional Jazz Artist/Group*
Chris Botti- Impressions
Kenny Garrett- Seeds From The Underground
Melody Gardot- The Absence
The Robert Glasper Experiment – Black Radio
Tony Bennett- Isn’t It Romantic

Best Contemporary Jazz Artist/Group*
Ben Tankard- Full Tank
Brian Culbertson- DREAMS
Cassandra Wilson- Another Country
Esperanza Spalding- Radio Music Society
Peter White- Here We Go

*Winner to be determined via online voting

The Existencial Soul of Tim Maia – Nobody Can Live Forever

tim-maia-cover_cropped

In the early 1970′s, Brazilian popular music was approaching a high water mark of creativity and popularity. Artists like Elis Regina, Chico Buarque and Milton Nascimento were delivering top-shelf Brazilian pop, while tropicalists Caetano Veloso, Gilberto Gil and Os Mutantes (see World Psychedelic Classics 1) were entertaining the college set with avant-garde fuzz-pop poetry.

Enter Tim Maia with a massive cannonball into the pool. It was the only dive Tim knew. Standing just 5’7 (6′ with the Afro) Tim Maia was large, in charge and completely out of control. He was the personification of rock star excess, having lived through five marriages and at least six children, multiple prison sentences, voluminous drug habits and a stint in an UFO obsessed religious cult. Tim is also remembered as a fat, arrogant, overindulgent, barely tolerated, yet beloved man-child who died too young at the age of 55.

Sebastiño Rodrigues Maia was born in Tijuca, Rio de Janeiro, on September 28, 1942. He was the 18th in a family of 19 siblings. At six he started to contribute to the family income by delivering homemade food prepared by his mother, Maria Imaculada Maia. Tim learned to play guitar as a child and was 15 when he formed his first band. They called themselves The Sputniks and were notable for also including Roberto Carlos, a neighborhood pal of Tim’s who would later become one of Brazil’s biggest stars. In 1957, at the age of 17, the singer went to America. He left home with $12 in his pocket and no knowledge of English. He adopted the name ‘Jimmy’ and lied to the immigration authorities, saying that he was a student.

Living with distant cousins in Tarrytown, New York, he worked odd jobs and committed petty crimes. Having a prodigious ear he quickly learned to speak, sing and write songs in English. He formed a small vocal group called The Ideals who even recorded one of Tim’s songs, “New Love.” Intent on starting a career in America, Tim never planned on going back to Brazil, but like a badass Forrest Gump, he also had a knack for being in the wrong place at the wrong time. In a 1964 early pre-cursor to Spring Break’s modern debauchery, Tim was busted in Daytona, Florida for smoking pot in a stolen car and served six months in prison. U.S. Immigration caught up with him and he was deported.

Back in Brazil, Tim told his friends that he hadn’t spoken a word of Portuguese for the last 3 years of his stay in the U.S. Not surprisingly, he was completely out of step with the prevailing mode of MPB and Tropicalia. Eventually he got a huge break when legendary singer Elis Regina fell in love with his song “These Are the Songs” which had been released as a single on the Fermata label. She invited him to sing a duet of it with her in Portuguese and English on her 1970 album “Em Pleno Verño”. This high profile debut forced people to take notice of the unknown singer/songwriter with a big voice, bigger afro and huge ambitions. Soon after, Philips signed Tim to a recording contract. In 1970 his first album spent 24 weeks on the charts, beginning a new chapter in Brazilian music.

His close friend, Nelson Motta, who was the A & R rep who signed Tim to the Philips label remembers Tim’s initial impact on the scene:

He was something absolutely new. Until then, Brazilian music was divided into nationalist MPB Tropicalia and international rock. All really white and really English. Tim Maia changed the game, introducing modern black music from the U.S. to national pop music, linking funk and baiño, bringing soul closer to bossa nova and opening windows and doors to new forms of music that were not Tropicalist, nor MPB, nor rock n’ roll: they were quintessentially Brazilian. They were Tim Maia. Prior to the 1970′s, the average white, urban Brazilian imagined him or herself living in a harmonious melting pot of European, African and indigenous heritage, but racism, despite being distinctly different than in North America, still permeated Brazilian society. There were no shortages of prominent Afro-Brazilian musicians, singers or composers, but black Brazilians were primarily typecast as nothing more than happy-go-lucky samba singers.

Tim wasn’t the first Brazilian artist under the sway of North American black music: Wilson Simonal and Jorge Ben experimented and synthesized different soul and funk rhythms into their styles, but Tim was the first to completely flip the equation, embracing soul and funk music wholeheartedly, adding indigenous Brazilian touches if and when they fit.

Tim’s first commercial records showed that a black Brazilian singer could assert his identity with confidence and power. His music helped to build the Black Rio movement, a new Afro-Brazilian music culture influenced by the U.S. civil rights struggle. As a result, Tim Maia’s soul music described a modern Black Brazilian identity that blew the doors off mass culture’s tightly circumscribed role for Afro-Brazilians.

More importantly, as Tim basically says in “Let’s Have a Ball Tonight:” ‘Fuck politics! Let’s make love and party!’ According to Nelson Motta, the impact of his music was felt where it mattered the most: on the dance floor and in the bedroom: With his thundering and sultry voice he enchanted and seduced legions of dancers and lovers along his explosive and turbulent career of 40 years. Sweetening and adding velvet touches to his voice, then downing the lights, he crooned his ballads and inspired hot romances and lots of sex, like a tropical Barry White (one of his idols, together with Isaac Hayes and James Brown). Like no other pop star – including most of the best comedians in the land – he made the people laugh. “I don’t burn, I don’t snort, and I don’t drink. My only problem is that sometimes I lie a little.” (Often said with a joint in hand). He was the funniest (and smartest) man in the Brazilian music scene. With hit after hit, he started his brilliant career, cheered by critics and adored by the big audiences, rich and poor, black and white, rockers and bossanovistas as well.

A funny thing happened when Tim Maia launched his career in Brazil: he kept on writing and recording songs in English. Every album (all titled Tim Maia with only the copyright years to differentiate) included at least one, if not a few songs in English. Obviously, Tim “Jimmy” Maia’s teenage dreams of international soul success didn’t die when he was deported from the U.S.

As Motta notes:
He always dreamed of coming back to America to be successful. But, in Brazil none of his songs in English, not even “These Are the Songs” were hits. Critics and musicians loved it, but nobody else cared. The songs never played on the radio and he rarely sang them in his shows. He had so many huge hits in Portuguese, there was no point in any one listening to songs in English. He always did whatever he wanted, so the record label people, who were basically afraid of him, would take whatever he gave them.

In 1971, fresh from the big hit of his first album, Timwent to London and spoiled himself. He smoked, inhaled, drank, traveled on acid, listened to music, argued with his wife and returned to Brazil with 200 doses of LSD to distribute amongst his friends. As soon as he arrived, he went to (recording company) Philips’ offices, which he called “Flips,” where he visited various departments, beginning with those he considered most “square,” like the accounting and legal departments, where he acknowledged the boss and repeated the same introduction, in a calm and friendly voice:
“This here is LSD, which will open your mind, improve your life, and make you a better and happier person. It’s very simple: there are no side effects. It is not addictive and only does good. You take it like this . . . “

He would place the acid in his mouth, swallow it and leave another at the front desk. Since he was one of the best-selling artists for the company, everyone thought it humorous. In the production and journalism departments, the gifts were a success. Even Andre Midani, the president of the company, received his.

Tim returned home in his jeep, certain that he had saved “Flips’” soul.

It’s hard to believe, considering the tossed off brilliance of his songs, that Tim Maia did not care much for lyrics (or lyricists for that matter). Motta says, “Tim would ‘fill-up’ the music with good sounding words and that was that.” His English lyrics were so spontaneous and off the cuff that they sound more like Tim is having a conversation, with whomever was around, about his own tumultuous life. One line that seems to sum up his restless feelings after his initial success is “I am so groovy now and I don’t care.” Considering Tim’s sense of largess, not to mention his largeness, it’s not surprising he would quickly grow jaded and continued to search for new sensations.

In 1974, touched by who knows what, he converted to a religious sect, the cult of Racional Engergy. The sect was based in the faith that we are perfect beings from a distant planet, exiled on Earth to suffer but able to purify through the reading of a single book and to finally be rescued by flying saucers of our original home. It was a perfect fit for someone like Tim.

At the moment of his illumination, he was finishing his fifth solo album with what would later become known as the Vitória Régia Band, the band that would be with him the rest of his life, almost. When he joined the cult, he dressed in white, shaved his ever-present facial hair, he quit alcohol, drugs and red meat and always kept a strange book in-hand. He would say things that, for him, were completely out of character, like “Pot and booze are the devil’s stuff.” He decided that all the songs he recorded and sang would be in celebration of his new faith in the Superior Rational from outer space. He rewrote the lyrics and recorded the funky devotional albums Tim Maia Racional I (1974) and II (1975). Philips had no interest in these bizarre and uncommercial songs, but that did not stop Tim Maia. Always a pioneer, he started the first independent music label in Brazil, called Seroma, and arranged for the albums to be produced and distributed by his company. The label name was taken from his initials: S E bastiao RO drigues M A ia.

Having given up smoking and drinking, he had lost a lot of weight and his voice had never been so clean and strong. His singing on the Racional albums is unrivaled, but to most the lyrics didn’t make any sense. Radio refused to play the Racional albums, which were mostly purchased by fellow cult members.

He left the sect one year later, broke, disillusioned and fed up with the hypocrisy of the cult leader. He ordered the destruction of all the Racional recordings and forbade anyone to record the songs. As someone who prided himself on being street smart and prison wise, Tim may have felt a bit ashamed of having been duped by a charlatan in a white robe preaching about UFO’s.

On his first post-Racional album Tim Maia 1976, Tim made sure to include a couple of ‘answer’ songs, possibly to assure fans that he was no longer under the sway of extra-terrestrials. Leaving Racional ism behind, Tim once again embraced the earthy reality of life. In “Nobody Can Live Forever,” he confronts human loneliness (“Nobody will know how I feel”) alongside the absence of God (“There’s no heaven / there’s no god / there’s no devil / there’s no hell), and concludes with existential resolve. “Play your music,” he chants.

As his career carried on through the 70s, 80s and 90s Tim became more like the folkloric characters he liked to 
sing about – the malandros – someone you had to be careful about trusting. He was famous for not showing up at his own shows and for sometimes appearing so drunk that he was not able to perform. When he did show up, he would terrorize the sound guy with demands for “More Bass! More Treble! More Volume! More EVERYTHING!”

Four months before his death, at his own cost, he played a chaotic show at a hotel lounge in Miami attended by 50 Brazilian nuts. He then filmed a fabulous road trip from Miami to New York, including the Daytona pen, New York City and Tarrytown, all the places he visited 40 years earlier, talking to people along the way. It was a like a wrap-up of his unfinished history.

He died on March 15, 1998, at the age of 55.

“I am bicão,” he used to say about himself, which is slang for people who go to a party without an invitation. He may have crashed the party, but he never failed to warm it back to new levels of fun and decadence.

- Allen Thayer, Paul Heck and Nelson Motta

An Introduction to Tim Maia from Luaka Bop on Vimeo.

Uma verdade inconveniente

Tags

Uma verdade inconveniente

(dedicado a Thais Santos, minha cúmplice)

 

“As realidades das palavras ficam dispersas na mente de quem vaga.”

 

Não tinha muita escolha Isadora, ela sabia que ou dizia ou calava-se, mas o que importa era que sua amiga fazia peripécias magníficas e depois se escondia.

Isadora estava cansada de tudo aquilo e resolveu colocar um ponto final nas artes de Felícia.

- toda vez é isso amiga!

-que passa Isadora? Que passa?

-pelo contrario minha linda isso é que não passa ora está outra vez pelas ruas com safardanas menina se cuida hein!

-ah cale-se garota! O que faço é problema comigo e não contigo, deixai-me!

-jamais! Queres saber? Ainda te metes em desventuras e eu terei de socorrê-la e poderá ser tarde demais!

-socorrer-me? Ai amiga faça-me rir!

Felícia era arteira e traquinava nos braços dos homens, no entanto via por se perder em orgias e bebedeiras e logo assim acabava ora presa ora com dividas de boteco fora os riscos que por ai vinham.

Felícia e Isadora eram amigas desde a infância, Isadora sempre perfeita e Felícia uma perfeita idiota e mesmo assim uma zelava pela outra em momentos de dificuldade, neste caso era mais Isadora que escarrava por Felícia do que esta pela outra.

Isadora é bonita, apesar de rechonchuda e vermelha, é bonita e também carinhosa, já Felícia era um pecado em pessoa, endiabrada e belíssima ao estalar de dedos tinham o homem que queria, mas não desejava o amor, pois dizia ser tempo perdido e que ela deveria sentir o sabor em cada gole.

A vida desorientada de Felícia deixava Isadora à loucura, queria o melhor para a amiga que tinha como a uma irmã.

Certo dia acredite que Felícia ligou para Isadora ir ter com ela na delegacia, pois se envolvera numa briga com uma dançarina e que além de ofendê-la ainda a tirou do palco para dança no lugar dela?

Mas desta vez o ato era de grande periculosidade, envolvera-se num desastre e com isso acabou com a vida de um homem.

O telefone de Isadora toca durante um programa jornalístico, ela já estava de pijama e comia um lanche durante esse horário, quase meia-noite.

- Alô?

- Isa me ajuda por favor!

-o que foi? Você está bem? Isso são horas Felícia!

- por favor, não brigue comigo agora, mas preciso de você, acho que… – a ligação cai.

Preocupada Isadora retorna.

-Felícia!

- Isa, estou perdida! Matei um cara! Ai meu Deus! Olha estou na rodovia Rosetta, sabe onde fica? Aqui eu tenho vista do lago venha para cá, por favor!

O telefone é desligado. Isadora troca rapidamente a roupa, pega as chaves em cima  da mesa e corre para o carro, lá fora é nítido esta chovendo e muito.

No carro Isadora já está pensando no que fazer, será que realmente o cara morreu? Meu Deus como ajudar Felícia? Isso aconteceu e eu sabia! Uma hora aconteceria, ela vive bêbada ou fornicando com quantos puder só Deus sabe se até drogas já não usou! Meu Deus o que eu fiz!

Ainda em seu topor de remorso Isadora tenta enxergar a estrada, mas chove muito e sua preocupação aumenta, pois não sabe se Felícia esta só ou com mais alguém e como se envolvera em tal desastre.

Não muito longe avista o carro de Felícia e ela no meio da rua acenando como quem já conhecera a comparsa.

-o que vamos fazer? Pergunta desesperada a amiga.

- não sei Felícia, diga-me está sozinha?

-ele era meu acompanhante, mas brigamos e então ele me bateu, eu corri para o carro e na tentativa de fugir acabei por atropelá-lo e é isso que você vê agora.

-deixe-me ver.

Isadora vai até o carro dela e retira o pequeno extintor do banco da frente e volta até o suposto defunto.

Quando o toca a cena é hilária, ele se mexe e com o susto ela o espanca com o extintor.

-agora não tem jeito mesmo!

-é você o matou…

-eu o matei! Você está louca! Quem matou ele foi você! Eu estava em casa, assistindo TV e comendo um sanduíche, mas você não certo? Estava por ai tranzando com quem lhe desse na telha, bebendo e até mais sabe Deus o que fazendo!

Felícia desata a chorar e ofendida com as palavras da amiga retruca.

-e você sua gorada patética! Isso mesmo uma gorda patética, vive nessa áurea de santa , mas é por opção dos homens, não faz um regime, vive comendo porcarias e depois reclama que esta enorme e que as roupas não lhe cabem, acorda queridinha! Eu curto minha vida!

-isso mesmo Felícia! Sou uma gorda sim, me e você quando está perdida a quem você liga? A quem você chama hein Felícia? Não mereço seu carinho e respeito só por isso? Agora tenho que ouvir ofensas de tua parte menina!

- olha Isa, me desculpa tá, isso nunca me aconteceu e estou desesperada e você vem com teu sermão e a verdade é esta nunca lhe faltei com a verdade e você também não, por isso sempre falamos na cara a verdade uma a outra!

- ah cala a boca!

-Isa! O problema agora é outro, o que faremos com o cara? Agora ele morreu de vez!

Para falar a verdade ele estava morto, a cabeça achatada e ensaguentada pelas pancadas do extintor e a chuva caindo sem parar até que Isadora tem uma ideia.

-vamos jogá-lo no lago! Têm algumas lonas no porta-malas, nós o embrulhamos e o levamos a pé até o lago, amarramos algumas pedras e o afundamos.

-andar? Está louca temos carro!

-quem está louca é você, acha que não vão dar por falta deste miserável garota? E você foi a ultima a ser vista com ele, quer a policia ande vasculhando por ai até chegar a você e encontrar vestígios no teu carro ou na tua roupa?

-não.

- faça o que estou mandando, por sinal você tem álcool no carro?

-uma garrafa de vodca, por quê?

-traga, farei com que ele beba.

Com a garrafa em mãos, Isadora abre a boca do infeliz e despeja o conteúdo e para que ele a engula, para isso ela massageia sua garganta, como se empurrasse com mais facilidade a bebida.

-pronto.

Todo enrolado e preparado elas pegam com todo cuidado o falecido e seguem em direção do lago, não demora muito, tomam alcance do local, amarram-lhe as pedras e despejam o corpo no lago, fim da historia.

Voltando para casa, Isadora cuidou para que tudo saísse perfeito e rezou para que a aventura de Felícia não tivesse ninguém por ele.

Como toda verdade não fica escondida, o azar de Isadora começa por ter deixado Felícia  amarrar as pedras e com sua falha o corpo não fica no fundo do lago por muito tempo.

Alguns pescadores que passam finais de semana por ali encontram o corpo que bate no barquinho em que estavam; a policia é chamada e logo um grupo todo de pericia encontra-se no local e não demora muito a reportagem local não ficou de fora, o assunto toma repercussão geral.

Em suas vidas, as garotas não pensavam naquilo para elas, até ligarem a tv no noticiário da manhã e tomam conhecimento de que sua atitude de alguns dias passados viera atrás de um culpado.

Olham uma para a outra e não dizem uma palavra se quer, Felícia sai da mesa e sobe as escadas correndo, com isso Isadora vai logo atrás.

-vão nos prender! – diz Felícia arrumando apressadamente uma maleta – temos que fugir!

-calma! Como vão saber que foi a gente Felícia? Já tem tempo e o corpo deve estar desfigurado pela decomposição! Relaxa!

- impossível, não consigo!

-já fez de tudo Felícia!

-mas nunca matei ninguém!

-fale baixo! Agora se me der licença tenho que trabalhar.

Logo dois dias se passam e as investigações levam até Felícia um referencial de suspeita.

Perguntas e mais perguntas, de bar em bar os comentários sobre a vida noturna do individuo é encaixada como tal quebra-cabeça e como sempre a peça que falta acaba de ser encontrada.

A policia bate a porta de Isadora.

- parece não haver ninguém… –olha o soldado através da janela.

-a casa está bem quieta mesmo.

-voltemos mais tarde sim.

Neste mesmo momento Felícia atravessa o pequeno portão do jardim e ao dar de frente com os policiais fica pálida.

Eles não reparam de imediato, mas as palavras atrapalhadas de Felícia por um instante a condenam e logo sua salvação está atrás dela, Isadora.

-vamos entrar minha flor? –abraça a amiga – está tão doentinha coitada… bem senhores em que podemos ser útil?

- estamos fazendo uma analise em referencia a morte de Claudio Fernando Marques, conheciam o sujeito senhoritas?

-não, nunca ouvi falar e você Felícia? Também não tenho certeza. –diz Isadora sem deixar a amiga abrir a boca.

-seu nome é Felícia?

-sim.

-me desculpem, mas ela não está bem.- intercede Isadora.

-o que foi isso em seu pulso menina, parece arranhado, andou brigando com algum gato?

-é verdade, já disse a Felícia, mas ela não pode ver um gatinho solto na rua que ela precisa acariciar não é mesmo? –olha serio para o rosto de Felícia que concorda com um balançar rápido da cabeça.

- senhorita Felícia, temos informações de uma garota com sua semelhança, estava com o senhor Claudio e por isso viemos até sua casa, estaria disposta a depor?

-o que? – assustada Felícia recua, quase se escondendo atrás de Isadora o que deixou os policias intrigados.

-nada demais menina; te garanto apenas que estamos investigando as pessoas que eram próximas do senhor Claudio.

-olha fica pra próxima, já disse que não o conhecemos. –fala mais energética Isadora.

-senhorita tem algo?

-por que diz isso ora essa?

-parece-me aflita e nervosa, para alguém que não conhece o finado, parece que sabe mais do que todos.

-ora qual, sua imaginação.

-que seja. De qualquer forma não podemos perder tempo e aqui está um mandato por vontade própria ou…

-vontade própria. –diz Felícia.

-que bom, poupa-nos o trabalho.

A caminho da delegacia, as amigas no interior do carro dão as mãos e enquanto seguem rumo ao distrito policial pensam em suas vidas como num pequeno flashback.

Pequenas, engraçadas, corriam, pulavam, as bonecas! As festas! O aniversario duplo! Isso mesmo Felícia e Isadora faziam aniversario no mesmo dia e promessas de serem amigas para sempre e de uma cuidar da outra, foi quando aos quinze anos uma queda de avião matou os pais de Felícia, como ela não tinha família avisou a policia sobre os Domingos e sabia que a família de Isadora a adotaria e claro como foi esperado viveu junto deles por todo esse tempo, então veio o colégio e logo a faculdade e logo morreu o pai de Isadora, com quem Felícia tinha encontros secretos, mas nunca os relatou a amiga e não muito distante um carro atropelou a mãe de Isadora e acabou por deixá-las juntas  no mundo contando apenas com os cuidados uma da outra.

-chegamos senhoritas, por aqui, por favor. –diz o policial.

Depois de uma serie de investigações os policias não tinham duvidas, as garotas estavam envolvidas, mas agora o que fazer?

Analises pesquisas, depoimentos e perguntas, muitas perguntas todas elas respondidas, todas elas mandariam aquelas jovens a fogueira, sim a cadeia. E logo o julgamento.

- por todas as evidencias, eu as declaro culpadas!

- não meritíssimo! Felícia não tem culpa! Eu o matei!

O júri fica a espera de mais informações.

-como assim? Explique-se!

Isadora contou toda a verdade e Felícia chorava sem parar e dizia a amiga que não fizesse isso.

-a verdade é esta ,senhor! Enquanto eu cuidava de minha vida esqueci-me de cuidar de Felícia, permiti que tudo acontecesse debaixo do meu nariz até que chegou um dia em que a morte bateria a nossa porta e eu seria cobrada.

O falatório é grande e silencio é pedido aos berros do tribunal.

Lembre-se que a verdade busca por provas e que isso pode gerar mais problemas, neste caso Claudio tinha alguém por ele, procurando a verdade, Eloisa sua prima, esta queria saber o que acontecera com o infeliz que sempre se comunicava com ela e quando soube de sua morte jurou vingança.

A verdade não para por ai, cobrou Isadora por fazer vista grossa aos erros de Felícia.

A verdade continuou a mostrar a Felícia que tudo que se faz nesta vida, paga-se nesta vida.

Os mortos contam verdades e neste caso bem inconveniente, pois amarrou quatro pessoas.

Felícia, Isadora, Eloisa e Claudio o morto que por sua vez provou que Isadora agiu errado esse tempo todo e que Felícia não ouvia os conselhos vagos da amiga, mas no tribunal as ultimas palavras que ouviram foi de culpadas, ao descerem da escada foram atingidas por uma bala cada uma.

Eloisa sacudiu a cabeça e suspirando sentiu que cumpriu o seu dever em respeito a alma de seu primo, Claudio.

A verdade ou te exalta, ou te mata.

   

  

Anna.

Despedida


 Despedida

Já não sinto mais dor

Sou fria apesar de queimar quem me toca.

Não sei o que são mais os teus abraços

Deixei-me levar pelas lagrimas congeladas que caiam de meus olhos

E passei a rolar junto com elas correnteza abaixo.

Sua face é moribunda

Não tem mais as belas maçãs

Seus lábios que um dia me fizeram enlouquecer

Perderam a carne que me seduziam.

Sinto chegada a hora

De soltar suas mãos e deixar que os anjos me arrastem

Longe de ti serei mais feliz?

Não sei, o que sei é que não serei mais assim.

Agora reclamo minha alma

Sua piedade não fora o suficiente

Seus lábios a que tanto desejei

Não são mais meus.

Mas ainda percebo no teu olhar distante

Uma sedução proibida

Mas vou seguir adiante é melhor

Não quero mais pecar pela luxuria.

Os anjos não esperam

Despeço-me com dor

Há espinhos em minhas mãos

Não me tocará mais.

Serei apenas um fantasma de tuas ilusões

Morrerá sem saber se um dia te desejei de verdade

Não me importo, pra onde vou não existe amor

Lá ele é proibido

Bebida de tolos

Românticos

Infelizes

Apaixonados

Adolescentes

Pessoas sem bens materiais

Quero a riqueza

Perco-me em mim mesmo

Desejo tua sombra longe de mim

Suas mãos um dia me atearam fogo

Agora as mesmas o apaga.

Seus olhos ainda tentam se apiedar

Morra com sua compaixão desgraçado!

O corpo não precisa de amor

Precisa da luxuria

E você não é capaz de dar-me.

Não são lagrimas que caem do meu rosto

São doenças que o amor plantou em mim

E agora estão saindo, porque o teu

Desprezo me curou.

Com as lagrimas, saiu a compaixão, o sentimento, o carinho

Abriram portas para o ódio, a raiva e a ira.

Espaço para tudo menos a vingança

Não quero perder meu tempo

Muitas almas ainda pra arrebatar

Mas prometo

Um dia

Ainda voltarei

Para arrebatar a tua.

Aguarde-me…

                                                                                                       Anna.

(Luciana Braga de Souza)

Tarde de chuva

Tags

Tarde de chuva

“Que dia, parece que nunca muda, até que então as palavras de outro alguém fazem você pensar no que é o amor…”

Estava tomando um delicioso café expresso, numa dessas cafeterias amistosas, seletivas onde costumam aparecer de advogados a professores, de mestres a aprendizes.

Desculpem-me os advogados, mas a sequencia é isso o que penso realmente são os professores mais que vocês, pois, precisaram de professores para ser quem são e não sejam soberbos.

Tomando novamente o raciocínio escutei num dia com muita chuva, num desses meus escapes até a cafeteria para ler jornal, uma conversa atraente e talvez de teor perigoso, mas que envolvia nada mais do que desejo de ambas as partes.

Não pense que gosto de ouvir conversa alheia, mas estavam ali e eu logo atrás deles, não iria embora meu café estava delicioso e lá fora chovia demais.

A conversa corria assim:

Você demorou um tanto…

Qual está por chover e não foi tanto assim.

- Quer algo?

Um cappuccino e está bem.

A garçonete anota os pedidos e sem muito sai.

- Porque me trouxe aqui? Qual deste convite menina?

- Não me tome por menina, sabe meu nome.

- Então me diga, tão arriscado encontrá-la aqui!

- Estamos longe e ninguém que nos conheça em particular julgará pecado nisso.

Está bonita.

- Obrigada, mas não foi por isso que vim.

- Então…

- Preciso confessar não aguento mais, serei direta…

- Diga.

 – Desejo-te, sim, te quero muito e te admiro que para mim parece uma obsessão.

Oh! Mas isso eu sabia minha musa.

Dos meus desejos por você?

Todas tuas palavras, seus versos, expressões e até o jeito que me olha!

-  Nossa nunca pensei…

Você é muito sedutora e nem nota.

Eu sedutora? Qual não deboche de mim!

-  Não o faço, jamais, agora a forma que fala inspira sedução faz por naturalidade, tão fácil como respirar!

-  Desde quando respirar é fácil, é como amar e nem sei se realmente sei amar! Só te desejo!

-  Também te desejo, mas as convenções não nos permitem, antes tivesse te conhecido fora dos portões.

-  Antes eu tivesse te conhecido por apenas passar na tua frente

-  Agora a realidade é essa, nos conhecemos e isso basta.

-  Uma pena que mesmo tirando esse peso não posso seguir adiante.

Por que não? Agora também te desejo e sei que não posso, não é minha.

-  Não me aceitaria e logo que um dia me aceite não confiaria em mim, justamente por causa desse deslize.

Não posso julgá-la a este ponto, você é uma flor que não está sendo regada. Precisa de valsa, de alegria, ser feliz, encantar e ser encantada, por que não eu?

-  Não nego, ao teu lado sou outra, sou viva, sou livre.

O que faremos?

-  Não sei, o que sei é que te quero e agora!

Talvez aqui… Será?

-  Conveniente?

Sim, o que acha?

Deixemos que os deuses nos guiem, mesmo que não acredites neles.

Deixe de teologia agora, o que importa se ainda chove?

A chuva é uma saída.

Então? O que me diz? Ficaremos neste impasse até quando começa ou acaba?

A conversa dos jovens cheia de expectativas; ela logo aparentava menos idade que ele, mas ele parecia mais perspicaz do que ela, no entanto ele pelo que vi é livre e ela nem tanto.

Preciso ir isso foi um erro!

Espere te acompanho.

-  Está chovendo e estou a pé, trouxe guarda-chuva?

Não, vou abraçado a você.

Irão nos ver aposto.

Que vejam dali em diante nos separamos, outra coisa chove muito.

Será pra sempre assim?

Não acredito, entende, não creio em finais felizes…

E em começo feliz acredita?

Isso sim é possível.

Vamos.

Olhei pela janela o casal proibido sair, uma conversa rápida e suficiente para contarem o amor que escondiam, ele nem tanto, mas ela pobre menina, desejosa de carinho e amando seu próprio mestre.

A história não acaba aqui, ele esquece um livro em cima da mesa e tenho como gentileza correr para entregar a ele até que então ao passar pela porta os vejo um pouco adiante embaixo de uma árvore entregues aos abraços e beijos de um casal hollywoodiano, sabe aquele beijo que faz com que muitas pessoas suspirem no cinema, foi o que vi, esperei antes de ir até lá, o que para mim pareceu questão de minutos acredito que pelo olhar que deram um ao outro debaixo daquela chuva pareceu ser pra sempre; então assim que terminaram corri entreguei o livro, me olharam com certo espanto, temor, mas logo concordaram em silencio que ambos não me conheciam.

Finalizei sorrindo lhes e voltando ao meu lugar, o resto da conversa não sei dizer o que houve dali pra frente, pois, não os vi mais, no entanto sempre volto agora ao café, com esperança de ver o que aconteceu naquele filme que começou naquela cafeteria que frequento há mais de dez anos e que de tudo que já acontecera ali, aquele casal proibido me fizera refletir e querer amar.

Luciana Braga de Souza

(Anna).

Falta em mim (Jorge Barbosa)

Tags

, , , ,

Estava tudo em seu lugar:

A pele, as unhas, as cutículas,

As cicatrizes, as dobras, as sobras,

Os pelos, os bigodes, os cabelos,

Os músculos, os órgãos, as veias,

Os dentes e os ossos.

O sangue correndo,

A energia pulsando,

O ar indo e vindo.

Mas a alma não,

Os sentidos e as razões

Já não era mais sua nem minha.

Era do outro.

Corpo como deixaste?

Quando se entrega a alma,

Acaba entregando-me

A morte, a guerra, a escravidão,

E a espera do destino,

Sem previsão,

Escolhas, vontades, desejos,

Sarcasmo, respostas e perguntas.

Tristeza constante,

Divida única, ansiedade descuidada,

Remorso de cura,

Fechara-se como um livro.

Alma perdida por amor vira:

Um querer não mais seu nem meu,

Um corpo meio cheio ou meio vazio.

Aparências

Tags

Aparências

 

Você ama o que é perfeito, ou a quem admira?

Você ama a verdade sincera, ou o que você ama é a mentira?

Você ama a letra bem feita, ou a palavra que inspira?

 

Você ama o que idealiza, ou você ama a quem precisa?

Você ama o homem, a mulher, ou o que você ama é a essência viva?

Você ama o conceito que prende, ou o sentimento que livra?

 

Você ama quem quer, ou aceita a quem te ama?

Você jura eterno amor, ou alimenta acesa a chama?

Você ama muito alguém, ou simplesmente se ama?

 

Você ama com o orgulho que mostra, ou com o segredo que crê?

Você ama a forma, o objeto ou aquilo que não se vê?

Você ama o conteúdo, a maneira de ser, ou o gosto de ter?

Como ama você?

 

Eliane Neres

Olorum e seus filhos de Jorge Barbosa (Parte I)

Tags

, , , ,

Olorum

 

            No principio, Olorum era o verbo e o verbo era Olorum. Cansado de tanto nadar na escuridão e nas trevas ao seu redor, o espaço, resolveu descansar e disse: “Que haja luz”! E ao seu redor surgir um reino inteiro incandescente. Mas faltava lhe algo. Então Olorum disse: Nanã Buroke. E num terço de espaço surgiu a belíssima terra firme.

Olorum já tinha tudo em seu reino menos filhos. Um deus sem filhos, não é plenamente feliz e esplendoroso suficiente. Falta-lhe paz e infinitividade.

Nanã Buroke olhava doutro lado através do oceano negro, o espaço, em silencio. Ela é a deusa, a magia, a sabedoria, o tempo e a terra firme. Olorum do seu trono olhava para ela também.

Os olhos são as janelas da alma, não há palavras que descrevam a realização de desejos e num piscar de olhos de Nanã Buroke, Olorum entendeu a mensagem da deusa, seguiu suas vontades, seus instintos, pensou, sonhou e criou de uma só vez seus quatro filhos: três guerreiros e uma guerreira.

Os filhos de Olorum nasceram curiosos, fortes, grandes e jovens. Eles tinham o Pai em todas as suas necessidades e horas. Era incrível como ele se dividia em quatro pelos filhos nos menores favores. Um pai pode cuidar de três filhos, mas três filhos não podem cuidar de um pai.

Um dia, os três guerreiros partiram pelo oceano negro imenso, profundo e silencioso. Mesmo com as advertências de Olorum, viraram asteróides que cortam rapidamente o espaço em direção a Nanã Buroke. O pai não negou-lhes esse desejo.

Restava a guerreira, afinal de contas ela não questionava abertamente o Pai, era discreta e amiúde com tudo e todos. E por isso que a filha devia ser feita doutra matéria. Ela demorou na despedida com o Pai, estava determinada em cuidar dos irmãos, garantir-lhes o conhecimento, a fatura, a moderação, a prosperidade, a prudência, o raciocínio e o triunfo. Tinha muita preocupação e gratidão por Olorum. Sabia que seria por pouco tempo. Bateu as asas tornando se delicada pedra branca chorando diamantes brancos pelo espaço.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.