Urban Photographer of the Year 2015

Com o tema CITIES AT WORK, o concurso Urban Photographer of the Year 2015 recebeu mais de 20 mil inscrições de todo mundo.

A imagem vencedora deste ano captura a alma da cidades: o seu povo. ‘Xyclops “, feita por Oscar Rialubin das Filipinas, é um retrato impressionante de uma pessoa cujo rosto diz mil histórias.

Confira abaixo essa e outras fotos.

Primeiro lugar: “Xyclops” por Oscar Rialubin, Catar

Primeiro lugar: “Xyclops” por Oscar Rialubin, Catar

Vencedor Europa, Africa e Oriente Médio: ‘Couple Policemen' - Armen Dolukhanyan, Ucrania

Vencedor Europa, Africa e Oriente Médio: ‘Couple Policemen’
– Armen Dolukhanyan, Ucrania

Urban-Photographer-of-the-Year-2015-03

Vencedor Américas: Christopher Martin ‘Winter Work’ Canadá

Vencedor Ásia-Pacífico: Peter Graney ‘Poultry Prepared for Market' Cambodia

Vencedor Ásia-Pacífico: Peter Graney
‘Poultry Prepared for Market’
Cambodia

Categoria fotos de celular: Cocu Liu ‘Blizzard Days' America

Categoria fotos de celular: Cocu Liu
‘Blizzard Days’
America

Categoria 13 a 15 anos: Diogo Miguel Carvalho Gonçalves 'Waiting for Work' Portugal

Categoria 13 a 15 anos: Diogo Miguel Carvalho Gonçalves
‘Waiting for Work’
Portugal

Categoria 16 a 25 anos: Belal Hossain Rana ‘Working Underground' Bangladesh

Categoria 16 a 25 anos: Belal Hossain Rana
‘Working Underground’
Bangladesh

Pedro Guimarães Lins Machado ‘Managing Influence' Brasil

Pedro Guimarães Lins Machado
‘Managing Influence’
Brasil

 Lukasz Kazimierz Palka ‘Sumo' Japão

Lukasz Kazimierz Palka
‘Sumo’
Japão

Urban-Photographer-of-the-Year-2015-38

Lucien Muller ‘Military Parade’ North Korea

Urban-Photographer-of-the-Year-2015-39

Huynh Thu ‘Happy Moment’ Vietnam

Urban-Photographer-of-the-Year-2015-40

Donavan Torres ‘Alice in Camden’ UK

Urban-Photographer-of-the-Year-2015-41

Hany Mahmoud ‘Different Office’ UAE

vIA mISTURA uRBANA

Multiplicar cultura é a chave, Pense nisto!

images

O resgate do “Original Funk Music”

Após a década de 80 com a chegada de novas vertentes, houve uma invasão de novos estilos e ritmos musicais, o “Original Funk” entrou em coma profundo e respirou por aparelhos por muitos anos, poucos artistas evoluíram com as exigências impostas pelos novos padrões.

Surgiu então alguns estilos novos de FUNK como: EletroFunk, Miami, Deep Funk, Neo Soul entre outros e o tal “FUNK Carioca” que de Funk não tem nada.

Usada James-Brown-1988-

Acredito que tudo tenha declinado com a prisão do “The Hardest Working Man in Show Business”, assim era como o chamavam, Mr. Dynamite, James Joseph Brown Jr, (JAMES BROWN), deixou um vazio e abriu espaço para as novas vertentes, principaçmente a onda dos electro, outra influencia forte, principalemnte aqui no Brasil foi o fim das grandes equipes de bailes como Chic Show, Zimbabwe, Circuit Power, Ademir Formula 1, Kaskatas, Furacão 2000 etc…

Kaskatas 4logo

Houve uma ruptura de personalidades, muitos fervorosos e idealistas em suas origens, deixaram-se levar pela onda de transformação com o passar dos anos.

Com a disseminação do seu nome em falso, “ORIGINAL FUNK” para “FUNK Carioca” a troca de identidade caiu como uma luva para nova geração, que dissemina popularizando mundialmente.

397742_397909336964899_1604660030_n

Baile da Furacão 2000 no Bangu em 1976, bem diferente de hoje em dia!

A busca pela originalidade que existe do Original, ficou difícil, mas não impossível, o caminho é igual a uma FENIX, resurgir e retomar seu verdadeiro lugar, hoje temos de volta grandes cantoras e bandas voltando a gravar, usando a tecnologia para melhorar o que já era quase impossível de melhorar, a mistura do novo com o experiente, a fusão de conhecimento e novas técnicas, temos os exemplos, Sharon Jones, Charles Bradley, Gap Band, Earth, Wind & Fire, entre tantos.

The Gap Band ewf-maurice

GapBand                                                                                                 Earth, Wind & Fire

Estes anos de obscuridade ou vamos dizer, repouso temporário, fez com que sua identidade fosse quase esmagada pela nova geração, ainda mais quando “roubaram” o seu próprio nome, colocaram sua dignidade em desconfiança, tanto que muitos amigos desta geração desconhecem o “Original”, acreditam que o nome seja do movimento cultural que existe no Rio de Janeiro e expande pelo mundo, mas a historia não é bem assim, o verdadeiro inicia-se em meados de 1969 quando James Brown lança a faixa “Funky Drummer ” a musica mais sampleada do mundo!

1970.king_.45.funky_.drummer.part_.1 james_brown

Nascia o ORIGINAL FUNK MUSIC.

Foram anos incríveis, historias, tivemos bandas majestosas, multi-instrumentistas excepcionais, uma sonoridade inconfundível a qualquer leigo, hoje varias bandas surgiram em diversos países, não mais localizado apenas nos EUA e estas tentam resgatar a cultura e filosofia dos anos magistraias do FUNK SOUL.

No final da década de 90 algo estava preste a mudar, o “Original Funk” voltou a ser ouvido e tocado, começou a despontar algumas caras novas no cenário, com a mesma essência e novas misturas.

Sharon Jones and the DapKings sharonband_11poets-photo

The Dap-Kings                                                                                 Poets of Rhythm

menahan_street_bandThe Budos Band budosartistpage

   Menahan Street Band                                                 The Budos Band

Hoje temos bandas incríveis como The Dap-Kings, The Sugarman Three, The Budos Band, The Poets of Rhythm, The Daktaris, The Mighty Imperials e uma das melhores bandas do genro na atualidade, Menahan Street Band… diretamente do Brooklyn, assim como a gravadora Daptone que há 10 anos vem fazendo um trabalho árduo em juntar e misturar estes artistas e seus estilos.

GKC-SDPdi-melo-cd-frete-gratis_MLB-O-3356560235_112012 download

O fato é que tanto lá fora na “Gringa” quanto aqui no brasil, estamos em franca evolução no quesito de resgate as suas verdadeiras origens, temos o Gerson King Combo com disco novo e documentário, relançamento de disco raro do Di Melo, Hildon gravando seu primeiro DVD, Disco de vinil do Tim Maia Racional sendo relançado, Almir Ricard, Toni Tornado se apresentando em shows por todo pais, a cena que é forte em minas com o quarteirão do Soul, o movimento em São Paulo sendo mais divulgado com King Nino Brown, Nelson Triunfo, programas de TV como os do Hip-Hop do Buzzo ( SPTv ), Manos e Minas ( TV Cultura ), as rádios da Web fazendo a diferença, bandas como Funk Como Le Gusta expondo e misturado a musicalidade, os Precursores do samba-rock, Clube do Balanço com discos autorais sempre com musicos excepcionais nos instrumentais, nossos amigos DJs da Black Music que sempre tocam os chamdos clássicos nas festas, enfim, o resgate do Original esta em plena evolução para voltar ao lugar que jamais deveria ter sido tomado pelo lastimavél “Miami Versão brasil” que muitos insistem em chamar de “FUNK” o Carioca.

114 Foto-1-Clube-do-Balanço

Funk Como Le Gusta                                                  Clube do Balanço

5420511122_b46c436ef9_zhoriz_KingNinoBrown

Nelson Triunfo                                                                King Nino Brown

Texto By Fhenso 31/01/2013

Matéria Publicada no http://originalfunkmusic.com/?page_id=6834

Moon River Studios anuncia Produção de Documentário sobre o mestre James Brown

FONU2, Inc anunciou hoje que, em associação com RKA Entertainment LLC e Loochie Registros & Publishing LLC

Sem data prevista o documentário vai abordar temas delicados como Racismo e o empenho do Brown  na guerra do Vietnã, além de contar com filmagens inéditas e raras do acervo pessoal da família, também entrevistas exclusivas de pessoas diretamente envolvida em sua trajetória e muita mais…..  os direitos preveem uma trilha sonora de até 16 músicas inéditas nunca antes lançadas.

Então nos resta esperar para saber se finalmente teremos uma obra mais completa que “Get On Up” do mestre!

Original Funk Music (82)

Fonte: FONU2, Inc (operando sob o nome Moon River Studios)

 Original Funk Music (846)

Documentário bacana produzido por uma tv francesa

Soul Train Awards 2012 Nominations

Soul Train Awards 2012 lançou a lista dos indicados
Será gravado no Planet Hollywood, em Las Vegas em 08 de novembro e irá ao ar na BET e Centric em 25 de novembro.

Ator e comediante Cedric Entertainer será o anfitrião. Confira a lista de indicados abaixo …

Soul_Train_Awards (1)

Best New Artist
Elle Varner
Emeli Sande
J. Cole
Luke James
Robert Glasper

Centric Award
Daley
Esperanza Spalding
Gary Clark Jr.
Leah Labelle
Santigold

Best Gospel/Inspirational Performance
BeBe Winans- “America America”
Fred Hammond- “I Feel Good”
Marvin Sapp- “My Testimony”
Mary Mary- “Go Get It”
Whitney Houston and Jordin Sparks- “Celebrate”

Best Hip-Hop Song of the Year
2 Chainz ft. Drake- “No Lie”
Wale ft. Miguel- “Lotus Flower Bomb”
Nas- “Daughters”
Kanye West ft. Big Sean, Pusha T and 2 Chainz – “Mercy”
Young Jeezy ft. Ne-Yo- “Leave You Alone”

Best R&B/Soul Female Artist
Beyoncé
Estelle
Keyshia Cole
Mary J. Blige
Melanie Fiona

Best R&B/Soul Male Artist
Miguel
Robin Thicke
Trey Songz
Tyrese
Usher

Album of the Year
The One – Eric Benet
Channel Orange -Frank Ocean
Life Is Good -Nas
Write Me Back -R. Kelly
Looking For Myself -Usher

Song of the Year
Estelle- “Thank You”
John Legend ft. Ludacris- “Tonight (Best You Ever Had)”
Trey Songz- “Heart Attack”
Tyrese- “Stay”
Usher- “Climax”
Wale ft. Miguel- “Lotus Flower Bomb”

The Ashford & Simpson Songwriter’s Award
“Thank You”-Estelle
(Writers: Arden Altino, Akene “The Champ” Dunkley, Jerry Duplessis, Doug F. Edwards, Thomas D. Richardson, Aliaune Thiam)
“Tonight (Best You Ever Had)” -John Legend ft. Ludacris
(Writers: Allen Arthur, Christopher “Ludacris” Bridges, Keith Justice, Miguel Pimentel “Miguel”, Clayton Reilly, John Stephens)
“Daughters”-Nas
(Writers: Nasir Jones, Ernest D. Wilson, Patrick Adams, Gary DeCarlo, Dale Frashuer, Paul Leka)
“Share My Love”-R. Kelly
(Writer: Robert Kelly)
“Climax” -Usher
(Writers: Usher Raymond IV, Sean “Redd Stylez” Fenton, Thomas “Diplo” Pentz, Ariel Rechtshaid)

Best Dance Performance
Beyoncé- “Love On Top”
Chris Brown- “Turn Up The Music”
Nicki Minaj- “Starships”
Rihanna- “Where Have You Been”
Usher- “Scream”

Best Caribbean Performance*
Cover Drive – “Bajan Style”
Damien “Junior Gong” Marley- “SuperHeavy”
Jimmy Cliff- “Rebirth”
Matisyahu – “Spark Seeker”
Sean Paul – “Tomahawk Technique”

Best International Performance*
Amy Winehouse- “Our Day Will Come”
Daley ft. Marsha Ambrosius- “Alone Together”
Emeli Sande- “Next To Me”
Estelle- “Thank You”
Gotye ft. Kimbra- “Somebody (That I Used To Know)”
Rebecca Ferguson- “Nothing’s Real But Love”

Best Traditional Jazz Artist/Group*
Chris Botti- Impressions
Kenny Garrett- Seeds From The Underground
Melody Gardot- The Absence
The Robert Glasper Experiment – Black Radio
Tony Bennett- Isn’t It Romantic

Best Contemporary Jazz Artist/Group*
Ben Tankard- Full Tank
Brian Culbertson- DREAMS
Cassandra Wilson- Another Country
Esperanza Spalding- Radio Music Society
Peter White- Here We Go

*Winner to be determined via online voting

The Existencial Soul of Tim Maia – Nobody Can Live Forever

tim-maia-cover_cropped

In the early 1970′s, Brazilian popular music was approaching a high water mark of creativity and popularity. Artists like Elis Regina, Chico Buarque and Milton Nascimento were delivering top-shelf Brazilian pop, while tropicalists Caetano Veloso, Gilberto Gil and Os Mutantes (see World Psychedelic Classics 1) were entertaining the college set with avant-garde fuzz-pop poetry.

Enter Tim Maia with a massive cannonball into the pool. It was the only dive Tim knew. Standing just 5’7 (6′ with the Afro) Tim Maia was large, in charge and completely out of control. He was the personification of rock star excess, having lived through five marriages and at least six children, multiple prison sentences, voluminous drug habits and a stint in an UFO obsessed religious cult. Tim is also remembered as a fat, arrogant, overindulgent, barely tolerated, yet beloved man-child who died too young at the age of 55.

Sebastiño Rodrigues Maia was born in Tijuca, Rio de Janeiro, on September 28, 1942. He was the 18th in a family of 19 siblings. At six he started to contribute to the family income by delivering homemade food prepared by his mother, Maria Imaculada Maia. Tim learned to play guitar as a child and was 15 when he formed his first band. They called themselves The Sputniks and were notable for also including Roberto Carlos, a neighborhood pal of Tim’s who would later become one of Brazil’s biggest stars. In 1957, at the age of 17, the singer went to America. He left home with $12 in his pocket and no knowledge of English. He adopted the name ‘Jimmy’ and lied to the immigration authorities, saying that he was a student.

Living with distant cousins in Tarrytown, New York, he worked odd jobs and committed petty crimes. Having a prodigious ear he quickly learned to speak, sing and write songs in English. He formed a small vocal group called The Ideals who even recorded one of Tim’s songs, “New Love.” Intent on starting a career in America, Tim never planned on going back to Brazil, but like a badass Forrest Gump, he also had a knack for being in the wrong place at the wrong time. In a 1964 early pre-cursor to Spring Break’s modern debauchery, Tim was busted in Daytona, Florida for smoking pot in a stolen car and served six months in prison. U.S. Immigration caught up with him and he was deported.

Back in Brazil, Tim told his friends that he hadn’t spoken a word of Portuguese for the last 3 years of his stay in the U.S. Not surprisingly, he was completely out of step with the prevailing mode of MPB and Tropicalia. Eventually he got a huge break when legendary singer Elis Regina fell in love with his song “These Are the Songs” which had been released as a single on the Fermata label. She invited him to sing a duet of it with her in Portuguese and English on her 1970 album “Em Pleno Verño”. This high profile debut forced people to take notice of the unknown singer/songwriter with a big voice, bigger afro and huge ambitions. Soon after, Philips signed Tim to a recording contract. In 1970 his first album spent 24 weeks on the charts, beginning a new chapter in Brazilian music.

His close friend, Nelson Motta, who was the A & R rep who signed Tim to the Philips label remembers Tim’s initial impact on the scene:

He was something absolutely new. Until then, Brazilian music was divided into nationalist MPB Tropicalia and international rock. All really white and really English. Tim Maia changed the game, introducing modern black music from the U.S. to national pop music, linking funk and baiño, bringing soul closer to bossa nova and opening windows and doors to new forms of music that were not Tropicalist, nor MPB, nor rock n’ roll: they were quintessentially Brazilian. They were Tim Maia. Prior to the 1970′s, the average white, urban Brazilian imagined him or herself living in a harmonious melting pot of European, African and indigenous heritage, but racism, despite being distinctly different than in North America, still permeated Brazilian society. There were no shortages of prominent Afro-Brazilian musicians, singers or composers, but black Brazilians were primarily typecast as nothing more than happy-go-lucky samba singers.

Tim wasn’t the first Brazilian artist under the sway of North American black music: Wilson Simonal and Jorge Ben experimented and synthesized different soul and funk rhythms into their styles, but Tim was the first to completely flip the equation, embracing soul and funk music wholeheartedly, adding indigenous Brazilian touches if and when they fit.

Tim’s first commercial records showed that a black Brazilian singer could assert his identity with confidence and power. His music helped to build the Black Rio movement, a new Afro-Brazilian music culture influenced by the U.S. civil rights struggle. As a result, Tim Maia’s soul music described a modern Black Brazilian identity that blew the doors off mass culture’s tightly circumscribed role for Afro-Brazilians.

More importantly, as Tim basically says in “Let’s Have a Ball Tonight:” ‘Fuck politics! Let’s make love and party!’ According to Nelson Motta, the impact of his music was felt where it mattered the most: on the dance floor and in the bedroom: With his thundering and sultry voice he enchanted and seduced legions of dancers and lovers along his explosive and turbulent career of 40 years. Sweetening and adding velvet touches to his voice, then downing the lights, he crooned his ballads and inspired hot romances and lots of sex, like a tropical Barry White (one of his idols, together with Isaac Hayes and James Brown). Like no other pop star – including most of the best comedians in the land – he made the people laugh. “I don’t burn, I don’t snort, and I don’t drink. My only problem is that sometimes I lie a little.” (Often said with a joint in hand). He was the funniest (and smartest) man in the Brazilian music scene. With hit after hit, he started his brilliant career, cheered by critics and adored by the big audiences, rich and poor, black and white, rockers and bossanovistas as well.

A funny thing happened when Tim Maia launched his career in Brazil: he kept on writing and recording songs in English. Every album (all titled Tim Maia with only the copyright years to differentiate) included at least one, if not a few songs in English. Obviously, Tim “Jimmy” Maia’s teenage dreams of international soul success didn’t die when he was deported from the U.S.

As Motta notes:
He always dreamed of coming back to America to be successful. But, in Brazil none of his songs in English, not even “These Are the Songs” were hits. Critics and musicians loved it, but nobody else cared. The songs never played on the radio and he rarely sang them in his shows. He had so many huge hits in Portuguese, there was no point in any one listening to songs in English. He always did whatever he wanted, so the record label people, who were basically afraid of him, would take whatever he gave them.

In 1971, fresh from the big hit of his first album, Timwent to London and spoiled himself. He smoked, inhaled, drank, traveled on acid, listened to music, argued with his wife and returned to Brazil with 200 doses of LSD to distribute amongst his friends. As soon as he arrived, he went to (recording company) Philips’ offices, which he called “Flips,” where he visited various departments, beginning with those he considered most “square,” like the accounting and legal departments, where he acknowledged the boss and repeated the same introduction, in a calm and friendly voice:
“This here is LSD, which will open your mind, improve your life, and make you a better and happier person. It’s very simple: there are no side effects. It is not addictive and only does good. You take it like this . . . “

He would place the acid in his mouth, swallow it and leave another at the front desk. Since he was one of the best-selling artists for the company, everyone thought it humorous. In the production and journalism departments, the gifts were a success. Even Andre Midani, the president of the company, received his.

Tim returned home in his jeep, certain that he had saved “Flips’” soul.

It’s hard to believe, considering the tossed off brilliance of his songs, that Tim Maia did not care much for lyrics (or lyricists for that matter). Motta says, “Tim would ‘fill-up’ the music with good sounding words and that was that.” His English lyrics were so spontaneous and off the cuff that they sound more like Tim is having a conversation, with whomever was around, about his own tumultuous life. One line that seems to sum up his restless feelings after his initial success is “I am so groovy now and I don’t care.” Considering Tim’s sense of largess, not to mention his largeness, it’s not surprising he would quickly grow jaded and continued to search for new sensations.

In 1974, touched by who knows what, he converted to a religious sect, the cult of Racional Engergy. The sect was based in the faith that we are perfect beings from a distant planet, exiled on Earth to suffer but able to purify through the reading of a single book and to finally be rescued by flying saucers of our original home. It was a perfect fit for someone like Tim.

At the moment of his illumination, he was finishing his fifth solo album with what would later become known as the Vitória Régia Band, the band that would be with him the rest of his life, almost. When he joined the cult, he dressed in white, shaved his ever-present facial hair, he quit alcohol, drugs and red meat and always kept a strange book in-hand. He would say things that, for him, were completely out of character, like “Pot and booze are the devil’s stuff.” He decided that all the songs he recorded and sang would be in celebration of his new faith in the Superior Rational from outer space. He rewrote the lyrics and recorded the funky devotional albums Tim Maia Racional I (1974) and II (1975). Philips had no interest in these bizarre and uncommercial songs, but that did not stop Tim Maia. Always a pioneer, he started the first independent music label in Brazil, called Seroma, and arranged for the albums to be produced and distributed by his company. The label name was taken from his initials: S E bastiao RO drigues M A ia.

Having given up smoking and drinking, he had lost a lot of weight and his voice had never been so clean and strong. His singing on the Racional albums is unrivaled, but to most the lyrics didn’t make any sense. Radio refused to play the Racional albums, which were mostly purchased by fellow cult members.

He left the sect one year later, broke, disillusioned and fed up with the hypocrisy of the cult leader. He ordered the destruction of all the Racional recordings and forbade anyone to record the songs. As someone who prided himself on being street smart and prison wise, Tim may have felt a bit ashamed of having been duped by a charlatan in a white robe preaching about UFO’s.

On his first post-Racional album Tim Maia 1976, Tim made sure to include a couple of ‘answer’ songs, possibly to assure fans that he was no longer under the sway of extra-terrestrials. Leaving Racional ism behind, Tim once again embraced the earthy reality of life. In “Nobody Can Live Forever,” he confronts human loneliness (“Nobody will know how I feel”) alongside the absence of God (“There’s no heaven / there’s no god / there’s no devil / there’s no hell), and concludes with existential resolve. “Play your music,” he chants.

As his career carried on through the 70s, 80s and 90s Tim became more like the folkloric characters he liked to 
sing about – the malandros – someone you had to be careful about trusting. He was famous for not showing up at his own shows and for sometimes appearing so drunk that he was not able to perform. When he did show up, he would terrorize the sound guy with demands for “More Bass! More Treble! More Volume! More EVERYTHING!”

Four months before his death, at his own cost, he played a chaotic show at a hotel lounge in Miami attended by 50 Brazilian nuts. He then filmed a fabulous road trip from Miami to New York, including the Daytona pen, New York City and Tarrytown, all the places he visited 40 years earlier, talking to people along the way. It was a like a wrap-up of his unfinished history.

He died on March 15, 1998, at the age of 55.

“I am bicão,” he used to say about himself, which is slang for people who go to a party without an invitation. He may have crashed the party, but he never failed to warm it back to new levels of fun and decadence.

– Allen Thayer, Paul Heck and Nelson Motta

An Introduction to Tim Maia from Luaka Bop on Vimeo.

Sob a Tarja Preta

Sob a Tarja Preta por Rogério Dezzotti

 
pés-de-menino-de-rua

Foto da Campanha Nacional “Criança Não é de Rua”

Hoje o morro se fez silêncio e cantou triste a despedida, sim, mais uma, da qual tentarei falar.

-Me dá um dinheiro. – com a voz insistente e com um olhar de humilhação – Ô tiozinho…

Foram essas palavras que me recordei. Nesse momento, ainda vejo que existe um sorriso-criança congelado na manchete de hoje. Imagino a lágrima-desespero de mais uma mulher-sofrimento.

Ficam assim registradas mais uma morte de um menino-rua… de uma mãe-sem-consolo. Na página que ficou dividida entre os pesos das palavras escritas, das lágrimas de uma face-cansada-revolta de uma mulher e do olhar-descanso-sorriso de um menino que ocultaram sob uma tarja preta.

O morro amanheceu em silêncio, no adeus de mais uma de suas crianças. O pequeno que se foi, é aquele que certa vez encontrei pelas ruas da cidade, próximo da Quarto Centenário com a Delfim, foi o mesmo que me chamou de tiozinho, reconheci-o… Hoje também me faço silêncios-perguntas.

Unidade, cooperação e solidariedade… Princípios humanos?! Entre outros pensamentos que me consomem. Vidas-teorias, palavras abandonadas, simplesmente para serem esquecidas. Egoísmo que no dia-a-dia não protege a fome-criança que não alimentou e nem alimenta.

-Fio, adeus.- Lamento doído, que somente que és mãe gentil pode sentir.

Somam-se a outras iniciais, essas agora, e o fato e a pouca idade revelada ao lado do retrato no jornal de hoje. Dessa vida que não sei nada, compreendo que mais um ser partiu. Partiu dessa vida-miséria para alguns e que outros maltrata.

Bem… mas, quero acreditar que ele deve estar lá, muito além do que possa imaginar; construindo castelinho de areia à beira-mar, brincando de bola, não mais as feitas de meias como costumava brincar.

Espero que esteja reunido com outros pequenos anjinhos, que também, partiram cedo e já não se encontram separados por lares, por escolas ou por vidas tão diferentes. Que esteja, simplesmente, aprendendo a fazer careta, artes, sem nunca mais ter que passar necessidades, fome, violência. Como muitos menores que saem, muitas vezes, à procura de alimento, muito mais do que à procura de afeição, proteção.

Mas, este aqui da manchete de jornal deve estar nos braços do Papai do céu, agora ele tem um pai conhecido, aprendendo a descansar, finalmente, num doce ninar. Ele partiu tão silencioso dentro de uma das vielas do morro, nessa madrugada, encontrado com a boca e as mãozinhas amarradas e sem roupa. Deixando um espaço e o egoísmo do vazio-saudade de quem morre… e cria uma ausência que parece que vai nos levar.

Até quando sonhar com mitos? Até quando esperar por alguém que ensine onde mora Deméter, para que implore a ela que venha abastecer tantas mesas nas horas do café, almoço e jantar, ou aonde encontrar Ártemis e que esta ensine a arte da caça. A fim de que muitos não tenham que procurar, nesta cidade-selva, os restos dos lixos, dos finais das feiras. O mesmo resto que ninguém quis levar.

Neste momento, fico com o que me cabe, com o que me reta: o silêncio-vergonha.

Os olhos sob a tarja preta são os mesmos que noite dessas, num breve encontro me assustaram, e depois disseram-me:

– Vá com Deus, tiozinho. Obrigado.

– Amém. – foi o que respondi aliviado.

Sabe menino-rua, menino-sem-nome, menino-iniciais, Hoje chora a mãe, o morro e eu. Pois, no silêncio da imagem dessa foto ainda se pode encontrar um sorriso-miséria, o sorriso de um Homem. A mãe, o morro morreram, também morri, morremos um pouco mais.

Rogério Dezzotti.

mais de 300 mil livros para download

Vários livros na sua língua original, inclusive a Portuguesa, vale muito a pena pesquisar.

Quer ler “Alice no País das Maravilhas” no original? Acesse o endereço worldebookfair.com a partir de hoje e baixe o livro inteiro, gratuitamente, para o seu computador. A iniciativa é dos projetos Gutenberg e World e-Book Library, sem fins lucrativos e baseados nos Estados Unidos, mas também com escritórios na Europa e Austrália, que de hoje até o dia 4 de agosto pretendem permitir o download gratuito de até 333 mil títulos, durante a sua primeira feira on-line. John Guagliardo, também diretor do Gutenberg, diz que haverá centenas de textos em português, de Portugal e do Brasil, pertencentes à sua e-Books Brasil Collection, durante a feira. Para acessá-los, basta escrever “portuguese” nas caixas da ferramentas de busca do site da feira. Entre os títulos, há desde “Os Lusíadas”, de Camões, até “A Cidade e as Serras”, de Eça de Queiroz, que no Brasil já está na 22ª edição.

Dica By Fernando

Livros

+ de 300 livros grátis !!!!

ebook-300x223

É só clicar no título para  ler ou imprimir.

  1. A Divina Comédia -Dante lighieri

  2. A Comédia dos Erros -William Shakespeare

  3. Poemas de Fernando Pessoa -Fernando Pessoa

  4. Dom Casmurro -Machado de Assis

  5. Cancioneiro -Fernando Pessoa

  6. Romeu e Julieta -William Shakespeare

  7. A Cartomante -Machado de Assis

  8. Mensagem -Fernando Pessoa

  9. A Carteira -Machado de Assis

  10. A Megera Domada -William Shakespeare

  11. A Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca -William Shakespeare

  12. Sonho de Uma Noite de Verão -William Shakespeare

  13. O Eu profundo e os outros Eus. -Fernando Pessoa

  14. Dom Casmurro -Machado de Assis

  15. Do Livro do Desassossego -Fernando Pessoa

  16. Poesias Inéditas -Fernando Pessoa

  17. Tudo Bem Quando Termina Bem -William Shakespeare

  18. A Carta -Pero Vaz de Caminha

  19. A Igreja do Diabo -Machado de Assis

  20. Macbeth -William Shakespeare

  21. Este mundo da injustiça globalizada -José Saramago

  22. A Tempestade -William Shakespeare

  23. O pastor amoroso -Fernando Pessoa

  24. A Cidade e as Serras -José Maria Eça de Queirós

  25. Livro do Desassossego -Fernando Pessoa

  26. A Carta de Pero Vaz de Caminha -Pero Vaz de Caminha

  27. O Guardador de Rebanhos -Fernando Pessoa

  28. O Mercador de Veneza -William Shakespeare

  29. A Esfinge sem Segredo -Oscar Wilde

  30. Trabalhos de Amor Perdidos -William Shakespeare

  31. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis

  32. A Mão e a Luva -Machado de Assis

  33. Arte Poética -Aristóteles

  34. Conto de Inverno -William Shakespeare

  35. Otelo, O Mouro de Veneza -William Shakespeare

  36. Antônio e Cleópatra -William Shakespeare

  37. Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões

  38. A Metamorfose -Franz Kafka

  39. A Cartomante -Machado de Assis

  40. Rei Lear -William Shakespeare

  41. A Causa Secreta -Machado de Assis

  42. Poemas Traduzidos -Fernando Pessoa

  43. Muito Barulho Por Nada -William Shakespeare

  44. Júlio César -William Shakespeare

  45. Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente

  46. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa

  47. Cancioneiro -Fernando Pessoa

  48. Catálogo de Autores Brasileiros com a Obra em Domínio Público -Fundação Biblioteca Nacional

  49. A Ela -Machado de Assis

  50. O Banqueiro Anarquista -Fernando Pessoa

  51. Dom Casmurro -Machado de Assis

  52. A Dama das Camélias -Alexandre Dumas Filho

  53. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa

  54. Adão e Eva -Machado de Assis

  55. A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo

  56. A Chinela Turca -Machado de Assis

  57. As Alegres Senhoras de Windsor -William Shakespeare

  58. Poemas Selecionados -Florbela Espanca

  59. As Vítimas-Algozes -Joaquim Manuel de Macedo

  60. Iracema -José de Alencar

  61. A Mão e a Luva -Machado de Assis

  62. Ricardo III -William Shakespeare

  63. O Alienista -Machado de Assis

  64. Poemas Inconjuntos -Fernando Pessoa

  65. A Volta ao Mundo em 80 Dias -Júlio Verne

  66. A Carteira -Machado de Assis

  67. Primeiro Fausto -Fernando Pessoa

  68. Senhora -José de Alencar

  69. A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães

  70. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis

  71. A Mensageira das Violetas -Florbela Espanca

  72. Sonetos -Luís Vaz de Camões

  73. Eu e Outras Poesias -Augusto dos Anjos

  74. Fausto -Johann Wolfgang von Goethe

  75. Iracema -José de Alencar

  76. Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa

  77. Os Maias -José Maria Eça de Queirós

  78. O Guarani -José de Alencar

  79. A Mulher de Preto -Machado de Assis

  80. A Desobediência Civil -Henry David Thoreau

  81. A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio

  82. A Pianista -Machado de Assis

  83. Poemas em Inglês -Fernando Pessoa

  84. A Igreja do Diabo -Machado de Assis

  85. A Herança -Machado de Assis

  86. A chave -Machado de Assis

  87. Eu -Augusto dos Anjos

  88. As Primaveras -Casimiro de Abreu

  89. A Desejada das Gentes -Machado de Assis

  90. Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa

  91. Quincas Borba -Machado de Assis

  92. A Segunda Vida -Machado de Assis

  93. Os Sertões -Euclides da Cunha

  94. Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa

  95. O Alienista -Machado de Assis

  96. Don Quixote. Vol. 1 -Miguel de Cervantes Saavedra

  97. Medida Por Medida -William Shakespeare

  98. Os Dois Cavalheiros de Verona -William Shakespeare

  99. A Alma do Lázaro -José de Alencar

  100. A Vida Eterna -Machado de Assis

  101. A Causa Secreta -Machado de Assis

  102. 14 de Julho na Roça -Raul Pompéia

  103. Divina Comedia -Dante Alighieri

  104. O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós

  105. Coriolano -William Shakespeare

  106. Astúcias de Marido -Machado de Assis

  107. Senhora -José de Alencar

  108. Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente

  109. Noite na Taverna -Manuel Antônio Álvares de Azevedo

  110. Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis

  111. A “Não-me-toques”! -Artur Azevedo

  112. Os Maias -José Maria Eça de Queirós

  113. Obras Seletas -Rui Barbosa

  114. A Mão e a Luva -Machado de Assis

  115. Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco

  116. Aurora sem Dia -Machado de Assis

  117. Édipo-Rei -Sófocles

  118. O Abolicionismo -Joaquim Nabuco

  119. Pai Contra Mãe -Machado de Assis

  120. O Cortiço -Aluísio de Azevedo

  121. Tito Andrônico -William Shakespeare

  122. Adão e Eva -Machado de Assis

  123. Os Sertões -Euclides da Cunha

  124. Esaú e Jacó -Machado de Assis

  125. Don Quixote -Miguel de Cervantes

  126. Camões -Joaquim Nabuco

  127. Antes que Cases -Machado de Assis

  128. A melhor das noivas -Machado de Assis

  129. Livro de Mágoas -Florbela Espanca

  130. O Cortiço -Aluísio de Azevedo

  131. A Relíquia -José Maria Eça de Queirós

  132. Helena -Machado de Assis

  133. Contos -José Maria Eça de Queirós

  134. A Sereníssima República -Machado de Assis

  135. Iliada -Homero

  136. Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco

  137. A Brasileira de Prazins -Camilo Castelo Branco

  138. Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões

  139. Sonetos e Outros Poemas -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

  140. Ficções do interlúdio: para além do outro oceano de Coelho Pacheco. -Fernando Pessoa

  141. Anedota Pecuniária -Machado de Assis

  142. A Carne -Júlio Ribeiro

  143. O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós

  144. Don Quijote -Miguel de Cervantes

  145. A Volta ao Mundo em Oitenta Dias -Júlio Verne

  146. A Semana -Machado de Assis

  147. A viúva Sobral -Machado de Assis

  148. A Princesa de Babilônia -Voltaire

  149. O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves

  150. Catálogo de Publicações da Biblioteca Nacional -Fundação Biblioteca Nacional

  151. Papéis Avulsos -Machado de Assis

  152. Eterna Mágoa -Augusto dos Anjos

  153. Cartas D’Amor -José Maria Eça de Queirós

  154. O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós

  155. Anedota do Cabriolet -Machado de Assis

  156. Canção do Exílio -Antônio Gonçalves Dias

  157. A Desejada das Gentes -Machado de Assis

  158. A Dama das Camélias -Alexandre Dumas Filho

  159. Don Quixote. Vol. 2 -Miguel de Cervantes Saavedra

  160. Almas Agradecidas -Machado de Assis

  161. Cartas D’Amor – O Efêmero Feminino -José Maria Eça de Queirós

  162. Contos Fluminenses -Machado de Assis

  163. Odisséia -Homero

  164. Quincas Borba -Machado de Assis

  165. A Mulher de Preto -Machado de Assis

  166. Balas de Estalo -Machado de Assis

  167. A Senhora do Galvão -Machado de Assis

  168. O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós

  169. A Inglezinha Barcelos -Machado de Assis

  170. Capítulos de História Colonial (1500-1800) -João Capistrano de Abreu

  171. CHARNECA EM FLOR -Florbela Espanca

  172. Cinco Minutos -José de Alencar

  173. Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida

  174. Lucíola -José de Alencar

  175. A Parasita Azul -Machado de Assis

  176. A Viuvinha -José de Alencar

  177. Utopia -Thomas Morus

  178. Missa do Galo -Machado de Assis

  179. Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves

  180. História da Literatura Brasileira: Fatores da Literatura Brasileira -Sílvio Romero

  181. Hamlet -William Shakespeare

  182. A Ama-Seca -Artur Azevedo

  183. O Espelho -Machado de Assis

  184. Helena -Machado de Assis

  185. As Academias de Sião -Machado de Assis

  186. A Carne -Júlio Ribeiro

  187. A Ilustre Casa de Ramires -José Maria Eça de Queirós

  188. Como e Por Que Sou Romancista -José de Alencar

  189. Antes da Missa -Machado de Assis

  190. A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio

  191. A Carta -Pero Vaz de Caminha

  192. LIVRO DE SÓROR SAUDADE -Florbela Espanca

  193. A mulher Pálida -Machado de Assis

  194. Americanas -Machado de Assis

  195. Cândido -Voltaire

  196. Viagens de Gulliver -Jonathan Swift

  197. El Arte de la Guerra -Sun Tzu

  198. Conto de Escola -Machado de Assis

  199. Redondilhas -Luís Vaz de Camões

  200. Iluminuras -Arthur Rimbaud

  201. Schopenhauer -Thomas Mann

  202. Carolina -Casimiro de Abreu

  203. A esfinge sem segredo -Oscar Wilde

  204. Carta de Pero Vaz de Caminha. -Pero Vaz de Caminha

  205. Memorial de Aires -Machado de Assis

  206. Triste Fim de Policarpo Quaresma -Afonso Henriques de Lima Barreto

  207. A última receita -Machado de Assis

  208. 7 Canções -Salomão Rovedo

  209. Antologia -Antero de Quental

  210. O Alienista -Machado de Assis

  211. Outras Poesias -Augusto dos Anjos

  212. Alma Inquieta -Olavo Bilac

  213. A Dança dos Ossos -Bernardo Guimarães

  214. A Semana -Machado de Assis

  215. Diário Íntimo -Afonso Henriques de Lima Barreto

  216. A Casadinha de Fresco -Artur Azevedo

  217. Esaú e Jacó -Machado de Assis

  218. Canções e Elegias -Luís Vaz de Camões

  219. História da Literatura Brasileira -José Veríssimo Dias de Matos

  220. A mágoa do Infeliz Cosme -Machado de Assis

  221. Seleção de Obras Poéticas -Gregório de Matos

  222. Contos de Lima Barreto -Afonso Henriques de Lima Barreto

  223. Farsa de Inês Pereira -Gil Vicente

  224. A Condessa Vésper -Aluísio de Azevedo

  225. Confissões de uma Viúva -Machado de Assis

  226. As Bodas de Luís Duarte -Machado de Assis

  227. O LIVRO D’ELE -Florbela Espanca

  228. O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves

  229. A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo

  230. Lira dos Vinte Anos -Manuel Antônio Álvares de Azevedo

  231. A Orgia dos Duendes -Bernardo Guimarães

  232. Kamasutra -Mallanâga Vâtsyâyana

  233. Triste Fim de Policarpo Quaresma -Afonso Henriques de Lima Barreto

  234. A Bela Madame Vargas -João do Rio

  235. Uma Estação no Inferno -Arthur Rimbaud

  236. Cinco Mulheres -Machado de Assis

  237. A Confissão de Lúcio -Mário de Sá-Carneiro

  238. O Cortiço -Aluísio Azevedo

  239. RELIQUIAE -Florbela Espanca

  240. Minha formação -Joaquim Nabuco

  241. A Conselho do Marido -Artur Azevedo

  242. Auto da Alma -Gil Vicente

  243. 345 -Artur Azevedo

  244. O Dicionário -Machado de Assis

  245. Contos Gauchescos -João Simões Lopes Neto

  246. A idéia do Ezequiel Maia -Machado de Assis

  247. AMOR COM AMOR SE PAGA -França Júnior

  248. Cinco minutos -José de Alencar

  249. Lucíola -José de Alencar

  250. Aos Vinte Anos -Aluísio de Azevedo

  251. A Poesia Interminável -João da Cruz e Sousa

  252. A Alegria da Revolução -Ken Knab

  253. O Ateneu -Raul Pompéia

  254. O Homem que Sabia Javanês e Outros Contos -Afonso Henriques de Lima Barreto

  255. Ayres e Vergueiro -Machado de Assis

  256. A Campanha Abolicionista -José Carlos do Patrocínio

  257. Noite de Almirante -Machado de Assis

  258. O Sertanejo -José de Alencar

  259. A Conquista -Coelho Neto

  260. Casa Velha -Machado de Assis

  261. O Enfermeiro -Machado de Assis

  262. O Livro de Cesário Verde -José Joaquim Cesário Verde

  263. Casa de Pensão -Aluísio de Azevedo

  264. A Luneta Mágica -Joaquim Manuel de Macedo

  265. Poemas -Safo

  266. A Viuvinha -José de Alencar

  267. Coisas que Só Eu Sei -Camilo Castelo Branco

  268. Contos para Velhos -Olavo Bilac

  269. Ulysses -James Joyce

  270. 13 Oktobro 1582 -Luiz Ferreira Portella Filho

  271. Cícero -Plutarco

  272. Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves

  273. Confissões de uma Viúva Moça -Machado de Assis

  274. As Religiões no Rio -João do Rio

  275. Várias Histórias -Machado de Assis

  276. A Arrábida -Vania Ribas Ulbricht

  277. Bons Dias -Machado de Assis

  278. O Elixir da Longa Vida -Honoré de Balzac

  279. A Capital Federal -Artur Azevedo

  280. A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães

  281. As Forças Caudinas -Machado de Assis

  282. Coração, Cabeça e Estômago -Camilo Castelo Branco

  283. Balas de Estalo -Machado de Assis

  284. AS VIAGENS -Olavo Bilac

  285. Antigonas -Sofócles

  286. A Dívida -Artur Azevedo

  287. Sermão da Sexagésima -Pe. Antônio Vieira

  288. Uns Braços -Machado de Assis

  289. Ubirajara -José de Alencar

  290. Poética -Aristóteles

  291. Bom Crioulo -Adolfo Ferreira Caminha

  292. A Cruz Mutilada -Vania Ribas Ulbricht

  293. Antes da Rocha Tapéia -Machado de Assis

  294. Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos -Manuel Antônio Álvares de Azevedo

  295. Histórias da Meia-Noite -Machado de Assis

  296. Via-Láctea -Olavo Bilac

  297. O Mulato -Aluísio de Azevedo

  298. O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós

  299. Os Escravos -Antônio Frederico de Castro Alves

  300. A Pata da Gazela -José de Alencar

  301. BRÁS, BEXIGA E BARRA FUNDA -Alcântara Machado

  302. Vozes d’África -Antônio Frederico de Castro Alves

  303. Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida

  304. O que é o Casamento? -José de Alencar

  305. A Harpa do Crente -Vania Ribas Ulbricht

  306. A Casa Fechada -Roberto Gomes Ribeiro

  307. As Asas de um Anjo (Comédia) -José de Alencar

  308. Béatrix -Honoré de Balzac

  309. Diva -José de Alencar

  310. A Melhor Amiga -Artur Azevedo

  311. A Confissão de Lúcio -Mário de Sá-Carneiro

  312. CONTOS AVULSOS -Alcântara Machado

  313. Poemas Humorísticos e Irônicos -João da Cruz e Sousa

  314. Cantiga de Esponsais -Machado de Assis

  315. Quincas Borba -Machado de Assis

  316. Brincar com fogo

A Comunicação Assertiva

Uma das grandes conquistas de um profissional, nos diversos níveis de relacionamento interpessoal, é a capacidade de ser assertivo.

Ser assertivo, diferente de ser agressivo, é comunicar-se de maneira franca e aberta, feita de maneira adequada, sem

provocar constrangimento aos direitos de outras pessoas.

A falta de assertividade é comum por ser causadora de muitos  conflitos e mal entendidos, além de outros prejuízos decorrentes  dessas dificuldades de comunicação. Analise, por exemplo:

– Quantas vezes você disse “sim” com a vontade de dizer “não”.

– Quantas vezes, você fez o trabalho que em princípio deveria  ser realizado por outra pessoa?

– Quantas vezes, em uma discussão ou em um debate você não  teve a coragem de posicionar-se do jeito que gostaria?

– Quantas vezes você se sentiu desconfortável para pedir ajuda a  alguém? Fazer uma crítica? Expressar uma opinião diferente do seu interlocutor? Dizer a alguém que ficou ofendido com um comentário ou uma brincadeira?

Estas são situações comuns, que fazem parte do nosso dia-a-dia, mas que mostram de quantas maneiras diferentes deixamos de ser assertivos para defendermos os nossos próprios espaços vitais.

Comportamento não assertivo:

– passividade: é uma forma de fugir de uma situação conflitante, na qual a pessoa se torna especializada em “engolir sapos”, pois age de forma tal a evitar confrontos, preocupa-se em demasia com a opinião de terceiros, adotando com freqüência uma postura defensiva

– agressividade: é uma forma de se comportar que agride o direito de outras pessoas. A pessoa deseja vencer a qualquer custo, tem uma postura invasiva de confronto, critica, joga a culpa sempre em outras pessoas. Quem age assim, normalmente interrompe outras pessoas, usa de sarcasmo, suas solicitações mais parecem ordens. É o “Chefe”/ “ Gestor” inves de “Líder”.

– manipulação: dá a entender que satisfaz os direitos de outras pessoas, entretanto, age desta maneira no intuito de satisfazer os seus próprios direitos. É irônico, age com falsidade e bajulações. Usa, de forma sutil as “vinganças” e, de maneira pseudo-elegante faz os seus ajustes de contas, pouco se importando com as outras pessoas.

A pessoa de comportamento assertivo:

– olha nos olhos quando fala

– é comedida

– é segura

– tem expressão corporal condizente com as suas palavras

– fala com elegância e naturalidade

– controla suas emoções

– expressa calma, é objetiva

– não perde uma venda por excesso ou falta de argumentos. E, por isso, defende os seus direitos, entre os quais destacamos:

– de ser respeitada e tratada de igual para igual

– de expressar os seus pensamentos, opiniões e sentimentos

– de dizer não, sem sentir-se culpada

– de dizer sim, quando lhe convier

– de dizer “não entendi” e pedir esclarecimentos

– de concordar, de discordar, de aceitar ou não aceitar as idéias, opiniões ou críticas de outras pessoas.

O convite à reflexão é:

Quais são as vantagens que você identifica cultivando um comportamento assertivo?

O que você conquistará, com maior facilidade na vida profissional? E na vida pessoal?

Para alguns, a grande mola propulsora da ação é o desejo do sucesso, para outros o prestígio e para outros o reconhecimento.

Não importa qual seja sua motivação, mas sim que a assertividade, sem dúvida o ajudará a alcançar o que você deseja.

Alguns benefícios ao sermos mais assertivos:

– Redução de conflitos interpessoais

– Liderança clara, direta e eficaz

– Negociações bem conduzidas

– Melhor planejamento no trabalho

– Melhora no clima organizacional

– Clientes satisfeitos com o atendimento

– Pessoas mais seguras, satisfeitas e menos estressadas.

Por Reinaldo Passadori

Fonte: http://www.revistaperspecti

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.