Sérgio Sampaio
Após ter sido radialista em Cachoeiro, Sérgio foi tentar a careira musical no Rio de Janeiro. Contratado pela CBS (hoje Sony BMG), Sérgio lançou ao lado de Raul Seixas o álbum Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10 em 1971. No ano seguinte, lançou a marcha-rancho Eu Quero É Botar Meu Bloco na Rua no Festival Internacional da Canção. A música se tornou sucesso nacional e deu nome ao primeiro disco solo de Sérgio. Apesar do sucesso do compacto do Bloco, o LP não foi bem-sucedido, em parte pelo comportamento displicente de Sérgio, que se dedicava mais à vida boêmia carioca do que à divulgação do álbum.
Já com o rótulo de “maldito” da MPB, Sérgio passou por várias gravadoras e lançou um álbum independente. Alcoólatra, só se recuperou do vício na década de 90, mas acabou falecendo antes de retornar a carreira.

1973
Março: sai o LP “Eu quero é botar meu bloco na rua”. Mesmo contendo a música de grande sucesso, torna-se um fracasso comercial e de crítica. No entanto, permanece até hoje como o disco preferido da maioria dos sampaiófilos. Apesar da boa execução nas rádios de músicas como “Viajei de trem”, uma toada-rock de alta lisergia, a valsa pop “Leros & leros & boleros” e os sambas “Odete” e “Cala a boca, Zebedeu”, a vendagem não ultrapassa as 5 mil cópias.

Maio: apresentação na série de shows “Phono 73”, em São Paulo.
Outubro: Sérgio recebe o “Troféu Imprensa”, o “Oscar brasileiro”, do programa “Sílvio Santos”, na TV Globo, como “Revelação de 72”.
Sérgio Sampaio – Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua 1973
LEROS, LEROS E BOLEROS
FILME DE TERROR
CALA A BOCA ZEBEDEU
POBRE MEU PAI
LABIRINTOS NEGROS
EU SOU AQUELE QUE DISSE
VIAJEI DE TREM
NÃO TENHA MEDO NÃO (RUA AGUSTA, 65)
DONA MARIA DE LOURDES
ODETE
EU QUERO É BOTAR MEU BLOCO NA RUA
RAULZITO SEIXAS