Arquivo Northern soul

A história parte II

Exatos quinze anos antes da cultura rave chamar atenção para sua existência, Northern Soul apareceu com quase um plano total. Aqui havia uma cena onde garotos da classe trabalhadora saiam juntos em grande número, vindos de vários lugares e distâncias, para lugares obscuros, para tomar drogas e dançar músicas que ninguém mais se importava. Foi uma cena em que união era tudo. Foi bastante ignorada ou tratada sem respeito pelos sofisticados jornalistas musicais ou pelos clubs de Londres, permitindo que ela se desenvolvesse vastamente, sem perturbação ou observação. E, como no movimento rave (em que a “essência do movimento” divergiu do lado mais mainstream da cena na tentativa de preservar o espírito original da música), Northern Soul acabou num dramático final, assim como os DJs progresivos encontraram sua política/mente musical mais aberta, com forte oposição dos tradicionalistas, a “essência do movimento”. Northern Soul tem sido amplamente descrito como um não-influente movimento musical, mas de fato ele foi um passo muito importante para a criação da atual cultura club e também para a evolução dos DJs. Muitos dos primeiros discos que atingiram as paradas na Inglaterra decorrentes dos clubs vieram dos clubs de Northern Soul. E foram os DJs de Northern Soul que introduziram muitas das inovadoras artes ‘estilosas’ de discotecar e certamente não foi coincidência que o primeiro DJ com aptidão suficiente para tocar House veio de um passado Northern Soul. De fato, até a Disco-Music emergir em New York, graças ao Northern Soul e clubs como Catacombs e Twisted Wheel, a cultura britânica de DJ estava muito mais avançada do que na América. O que o Northern Soul trouxe ao DJ foi obsessão. Pois isso cravou uma incrível recompensa na cultura da raridade musical, fez dele um obsessivo e compulsivo colecionador de vinil. Isso ensinou à ele o valor de discotecar discos que ninguém tinha, de gastar meses, anos e milhares de pounds na procura daquela canção inédita que poderia trazer o público, a audiência sob seu domínio. Mandou o DJ atravessar oceanos para caçar em empoeirados e miúdos armazéns de discos por clássicos desconhecidos, que sua concorrência não tinha e não poderia tocar. Northern Soul mostrou ao DJ como transformar o vinil em pó de ouro.

Arquivo Northern soul 4

01 – Richard Temple – That Beatin’ Rhythm

02 – Shirley J. Scott – Goose pimples

03 – Connie Clark – My sugar baby

04 – Checkerboard Squares – Double cookin’

05 – Olympics – Baby do the philly dog

06 – Silhouettes – Not me baby

07 – Tonny Mason – Don’t you know (a good love when you see one)

08 – Roy Hamilton – Crackin’ up over you

09 – Insiders – I’m just a man

10 – Johnny Nash – I’m leaving

11 – Roy Hamilton – Let the music play

12 – Faye Crawford – What have i done wrong

13 – Nancy Wilcox – Come on strong

14 – Percy Wiggins – It didn’t take much (for me to fall in love)

15 – The Metros – I’ll never forget you

Arquivo Northern soul – Vol 04



Arquivo Northern soul 5

01 – Dynamics – Yes i love you baby

02 – Tempos – (countdown) here i come

03 – Eddie Holman – Eddie’s my name

04 – Tommy Neal – Going to a happening

05 – Jackie Lee – Temptation walk

06 – Incredibles – There’s nothing else to say

07 – Furys – I’m satisfied with you

08 – Bobby Garrett – My little girl

09 – Creation – I Got The Fever

10 – L J Reynolds & Chocolate Syrup – What’s The Matter Baby

11 – Bobby Wells – Let’s Copp A Groove

12 – Los Carnios – Get On Your Knees

13 – Johnny Ross & The Soul Explosion – I Can’t Help Myself

14 – Bobbi Lynn – Earthquake

15 – Darrell Banks – Our Love Is In The Pocket

Arquivo Northern soul – Vol 05