Jorge Moacir da Silva, o Bedeu, partiu no dia 05 de agosto de 1999 deixando saudosos todos aqueles que balançaram ao som do swing, do samba e do rock produzidos por este cantor e compositor gaúcho. Entre os inúmeros sucessos deixados por ele, quem não recorda de Menina Carolina, Kid Brilhantina, Minha Preta, Não Joga Nada e Quer Massagem, Flor, Nega Olívia, Toca Direito, Olegário e tantos outros ?

A carreira de Bedeu teve início nos anos 70, quando teve uma passagem por São Paulo, convivendo com grandes músicos e tendo várias de suas composições gravadas por gente como Neguinho da Beija-Flor, Jair Rodrigues, Wilson Simonal, Originais do Samba, Dhema, Bebeto e Luis Wagner. Como instrumentista de percussão, gravou com Eduardo Assad, Nelson Aires, Cesar Camargo Mariano, Dudu França, entre outros.

Em 75, de volta à Porto Alegre, fundou o Grupo Pau Brasil, ao lado de Cy, Alexandre, Nego Luís, Leco e Leleco Telles. Com dois LP’s gravados, eles foram responsáveis por uma verdadeira reformulação no samba, criando um estilo próprio ao fazer uma ponte entre o rock e o samba. O primeiro disco, “O Samba e Suas Origens” (1978), foi lançado pela Beverly/Copacabana e o segundo, “Pau Brasil” (1979), saiu pela Continental.

Em 83, lançou-se em carreira solo, com o LP “África no Fundo do Quintal” (Copacabana).

Em 88, a Continental lançaria a coletânea “Samba Rock em Dois Tempos”, com duas músicas de Bedeu: Kid Brilhantina e Tribo Guerreira, além de “Um Zero pra Bedeu”, de Luis Vagner.

Depois, em 93, lançaria o CD “Iluminado” (GK), gravado em São Paulo e que traz algumas pérolas do samba-rock brasileiro, como Saudades de Jackson do Pandeiro (parceria com Luis Vagner) e Kid Brilhnatina (parceria com Alexandre). São dessa época dois discos produzidos pelo SBT, “Remix do Samba – Volumes I e II”, onde Bedeu atua como intérprete, além da coletânea “Nos Bailes da Vida”, pela Warner, onde aparecem Nega Olívia, Minha Preta e Menina Carolina.

Em 98, lança seu último trabalho, o CD “Swing Popular Brasileiro”, com apoio da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre, reunindo alguns clássicos e composições inéditas, uma delas com seu novo parceiro Totonho Villeroy.

Em 2001, sairia o CD “Tributo ao Bedeu”, com apoio do Fumproarte e da Prefeitura de Porto Alegre, gravado ao vivo no Auditório Araújo Vianna, com produção de Alexandre e Márcio Gobatto. Neste trabalho, vários de seus amigos e parceiros homenageavam sua obra, entre eles, Nanci Araújo, Gelson Oliveira, Wilson Ney, Lúcia Helena, Xandelle, além de seus parceiros da época do Grupo Pau Brasil, como Leleco Teles, Alexandre, Leco, Paulinho Romeu e Cy, entre outros.

Bedeu nasceu em Porto Alegre, no dia 04 de dezembro de 1946.

Fonte samba-choro

Bedeu – África no Fundo do Quintal (1983)

01 – Linda Natureza

02 – Bate Coração, Bate Ligeiro

03 – Índia Negra

04 – Tá Difícil de Viver

05 – África Quintal

06 – Malange

07 – Zimbabwe

08 – Tá na Hora

09 – Guerreiro

10 – Grama Verde

11 – O Samba e Suas Origens

Link do Arquivo