Celia Reis

Bom gosto & cuidado foram esbanjados na escolha dos 12 sambas. Há o “Só Danço Samba” (de Tom e Vinicius), do filme inédito, mas já famoso, “Copacabana Palace”, assim como a música do “show” do Night And Day: “12 Bikinis”, que é o samba de Menescal e Bôscoli, “Dan-Cha-Cha-Cha”.

Outros “demais” nomes da nossa música popular como, Haroldo Barbosa & Luis Reis, Orlann Divo & Roberto Jorge, Carlos Lyra, Ciro Monteiro, Chico Feitosa e “Lula” Freire e, Billy Blanco, entre outros, contribuem para o alto nível artístico do LP. Pronto, de resto só passarmos da prática, ouvindo o resultado de tudo isso.

O samba é Célia Reis, vocês por certo concordarão, mas o que também é importante Célia Reis é Célia Reis, ninguém mais.

Informações adicionais sobre Célia Reis
Fonte: “Caminhos Cruzados, a vida e a música de Newton Mendonça”, de autoria se Marcelo Câmara, Jorge Mello e Rogério Guimarães.

“Em dezembro de 1956, Célia Reis se apresenta na boate Ma Griffe, no Beco das Garrafas”, acompanhada do pianista Newton Mendonça.
Foi um tempo curto ao lado de Newton.

Célia conta que não conheceu Newton: “Ele era uma pessoa tímida, de pouco falar e grande musicalidade, um piano refinado: trocávamos poucas palavras, quase sempre sobre o trabalho”.

Com voz clara e cheia, timbre deferente, interpretação genuína, grande habilidade rítmica, estilo, Célia nunca deixou de brilhar na noite do Rio, nas apresentações em TV e excursões no País e exterior.
Ganhou fama como sambista, e foi uma das primeiras da Bossa Nova, cantando, divulgando, personificando as “novidades” que meninos como Newton, Tom, Carlos Lyra, João Gilberto, Baden, Chico Feitosa, Luizinho Eça, entre outros, criavam e escandalizavam os conservadores.

Com excelente presença no palco, onde “sambava e requebrava pra valer”, contagiando os espectadores”, registram os jornais da época, Célia assumiu as ousadias, as modernidades musicais” que resultariam no movimento da Bossa Nova que tomou o País e invadiu todo o mundo.

Célia Reis teve uma participação notável nessa conquista da Cultura Brasileira, participação não reconhecida pelos que tem escrito a historia da nossa música.
Ela foi uma importante e corajosa divulgadora dos novos caminhos que o samba, que a música brasileira ganhou a partir do final dos anos cinqüenta.

Foi uma representante da Bossa Nova, por todos os teatros e casas de shows onde se apresentou, nas inúmeras turnês que ela fez no País e em mais de uma dezena de paises, por mais de vinte anos ininterruptos, enriquecendo e divulgando a música brasileira.

Celia Reis

Só Danço Samba
Vai de Vez
Leilão
Dan Cha Cha Cha
E Samba
Influência do Jazz
O Amor que Acabou
Sambadinho
Dói, Mas e Bom
Para Não Sofrer
Deve ser Amor
Tamanco no Samba